almoço rápido

O almoço de hoje aqui em casa foi bem prático e rápido: arroz branco com alcachofra e bisteca suína.

Enquanto cozinha o arroz (para duas pessoas, uma xícara é mais que suficiente) com uma colher de chá de sal, deixe as bistecas marinando em vinho branco, sal, pimenta do reino, alecrim, tomilho e um pouco de páprica picante pra dar cor e picância. Pronto o arroz, coloque dentro o patê de alcachofra (aquele que sobrou do crepe), meia caixa de creme de leite, queijo parmesão ralado fininho e misture bem. Grelhe as bistecas com óleo de canola e deixe dourar bem.

frango grelhado e creme de milho

Tinha dois peitos de frango desossados e sem pele lindos no freezer me esperando. Cortei um deles na metade, limpei o restinho de gordura que ficou, temperei com suco de 1 limão, sal, pimenta do reino e uma colher de mostarda dijon. Deixei 24h na geladeira marinando sem saber muito bem o que fazer com eles. Aí que ontem me deu uma vontade incontrolável de comer creme de milho.

Me certifiquei de que tinha milho verde na despensa e resolvi fazer o creme. Primeiro fiz um bechamel básico:

1 colher de sopa de manteiga
2 colheres de sopa de farinha de trigo
300ml de leite
1 pitada de noz moscada
sal e pimenta

Derreta a manteiga, adicione a farinha e faça uma pastinha. Quando começar a sentir aquele cheirinho de biscoito, desligue o fogo. Deixe esfriar. Adicione o leite, mexa bem pra dissolver o roux (a pastinha de farinha com manteiga) e ligue o fogo. Mexa sempre pra não fazer bolinhos e espere engrossar. Adicione sal, pimenta e a noz moscada.

Passe no liquidificador o bechamel com metade da lata de milho e volte ao fogo. Adicione o restante do milho e cozinhe. Acrescente sal, pimenta e um pouquinho de páprica picante.

Para o frango, como o filé de peito inteiro é muito alto (e frango deve ser sempre bem cozido por causa de salmonela), fiz cortes diagonais e depois mais cortes cruzando essas diagonais. Com uma colher de sopa de óleo de canola, grelhe bem os peitos de frango. Os cortes ajudam você a ver se o cozimento está no ponto (e ainda dão um charme).

crepe integral de alcachofra e champignon

Eu já tinha preparado o recheio desse crepe quando descobri que não tinha farinha de trigo em casa, só um restinho de uma farinha integral. Nunca tinha feito crepe com farinha integral e resolvi testar. Pelo menos o recheio serviria pra comer com uma massa, caso o crepe não funcionasse.

E não é que ficou ótimo?

Você vai precisar de:
1 xícara de farinha de trigo integral
350ml de leite
1 ovo
2 colheres de sopa de azeite
uma pitada de sal

Para o recheio:
100g de patê de alcachofra
100g de champignon
1/2 caixa de creme de leite
1/2 cebola grande
2 dentes de alho
pimenta do reino a gosto

Primeiro corte a cebola em tiras fininhas e refogue em azeite. Adicione o alho picadinho. Corte o champignon em lâminas. Quando a cebola já estiver transparente, adicione o champignon e deixe cozinhar. Coloque o patê de alcachofra e mexa bem. Adicione o creme de leite, a pimenta, mexa bem e desligue o fogo.

Agora é hora da massa: bata todos os ingredientes da massa no liquidificador, com cuidado pra não ficar farinha sem misturar nas paredes do copo do liquidificador. Unte uma frigideira anti-aderente grande com um pouco de óleo. Espalhe bem com uma folha de papel toalha. Esquente a frigideira e coloque uma concha da massa no centro e, mexendo a panela, espalhe toda a massa na base da frigideira. Deixe cozinhar. Com cuidado vá despregando as bordas da massa na frigideira. Quando estiver dourada do outro lado, vire com muito cuidado para não quebrar e deixe assar a outra face do crepe. Repita esse procedimento até terminar a massa.

Coloque o recheio em uma das metades da massa, dobre-a duas vezes e sirva.

coxinha de batata sem farinha de trigo

Eu amo coxinha mas nunca tive coragem de fazer massa porque dá muito trabalho. Essa receita foi uma revolução na minha vida de tão fácil que é. Tudo que você vai precisar é de batata e farinha de mandioca. Parece impossível mas não é. E o melhor: quem tem doença celíaca ou alguma dieta restritiva de trigo pode voltar a comer coxinha \o/

2 xícaras e meia de batata cozida e espremida (em torno de 5 batatas médias)
1 xícara de farinha de mandioca (talvez precise mais um pouquinho)
sal a gosto

Essa é a base da massa. Você vai misturar o purê já frio com a farinha até formar uma massaroca. Talvez nem seja necessário, mas pra facilitar, você pode enrolá-la com plástico filme e colocar na geladeira por 30 minutos. Fica com uma consistência mais durinha pra trabalhar.

Enquanto a massa está na geladeira, coloque um peito de frango para cozinhar com uma cebola, um tomate e dois dentes de alho cortados grosseiramente. Aí vão os temperos que você quiser. Usei salsinha, cebolinha, noz moscada, pimenta do reino um pouco de páprica picante. Desfie o frango, coe o caldo e reserve.

Já no frango desfiado, adicione duas colheres de sopa de requeijão, uma colher de sobremesa de mostarda dijon e um pouco do caldo do frango e leve ao fogo pra incorporar tudo. Essa fase é opcional, se você quiser deixar o frango desfiado sequinho, não coloque nada.

Agora é hora de trabalhar a massa. Antes de começar a fazer suas coxinhas, eu sugiro que você pegue um pouco da massa e jogue em bastante óleo quente (o mesmo que você vai usar pra fritar suas coxinhas). Faça o teste do sabor da massa pois talvez ela precise de mais sal. Também cabe aqui adicionar o tempero de sua preferência, se quiser. Você pode também fazer uma mini coxinha pra testar o sabor da massa junto com o recheio. Tudo isso vai variar de gosto pra gosto. No meu caso, achei que a massa ficou sem graça pura, mas com o recheio ela se completa.

Para montar as coxinhas, faça bolinhas mais ou menos do tamanho que você quer que elas fiquem. Abra a massa na mão e faça uma espécie de copinho onde você vai colocar o recheio. Importante usar o recheio já frio, pois fica mais consistente e não tem a tendência de abrir a massa. Feche a tampa com mais massa e faça o rabinho da coxinha.

Para fritar, não é necessário empanar nem nada: jogue-as em bastante óleo bem quente e frite poucas de cada vez pra a temperatura do óleo não cair demais. Você vai ver como ela já sai sequinha da fritura pro papel e quase não absorve óleo.

simplesmente peixe

Quem não adora um peixinho, né? Frito, cru, marinado, ensopado em forma de moqueca ou numa peixada, assado no forno, na brasa, empanado, grelhado: há uma infinidade de formas de preparar peixes. Esse post vai servir como um guia de reconhecimento.

Em primeiro lugar, a forma de preparar. Quem aqui não já viu gente dizer que “peixe se tempera com limão e sal”? Nem sempre, meu amigo. Existem peixes em que um limão vai bem, em outros casos isso só vai mascarar o sabor delicado que algumas espécies têm. De maneira genérica, a dupla sal e pimenta sempre vai bem (e, na dúvida, use apenas isso). É preciso sempre conhecer que peixe você está manipulando antes de sair temperando de qualquer forma.

O teor de gordura dos peixes também varia muito de espécie pra espécie. Existem peixes bem magros, com 2% de gordura e outros mais gordinhos, com 20%. No entanto, são gorduras boas, poliinsaturadas como o ômega 3.

Como comprar?
Comprar peixes é uma tarefa difícil. Quando o ideal seria comprá-los fresquíssimos do pescador assim que ele volte do mar pra garantir sua qualidade e isso nem sempre é possível, é preciso saber algumas coisas para escolher um bom peixe.

Cheiro
Peixe fresco não tem cheiro quase nenhum. Portanto se o peixe tá fedendo, descarte. Tá velho e estragado.

Textura
Deve ser firme, elástica, escorregadia e úmida. No caso do peixe inteiro, a carne deve estar bem presa à espinha e as escamas brilhantes e presas na pele. Em peixes em posta ou filé, deve ser observado se está úmida mas sem muco.

Ventre
Não compre se estiver afinado, flácido ou escuro.

Olhos
Devem estar dentro de órbita, vivos, grandes e brilhantes.

Guelras
Devem estar num tom rosa-avermelhado, sem muco e sem cheiro forte.

Ao comprar um peixe inteiro, certifique-se de que está já eviscerado. Se não estiver, peça ao vendedor para limpá-lo. Elas deterioram-se rapidamente logo após a pesca. Para eviscerá-lo em casa, faça um corte no ventre e puxe as vísceras em direção à cabeça.

Se não houver como comprar peixe fresco, compre já congelados. Eles não terão nunca a mesma textura de um peixe fresco, mas para preparações em que ele não seja servido cru ou marinado quase não se percebe essa diferença de textura. Mas algumas coisas são importantes no uso de peixes congelados:

1. Descongele o peixe na geladeira, nunca em temperatura ambiente, a não ser que você vá usá-lo imediatamente.

2. Nunca recongele um peixe já descongelado.

3. Caso precise congelar um peixe fresco, seque-o bem e embale em filme plástico antes de colocá-lo em sacos de congelamento.

4. Peixes congelados imediatamente após a pesca podem ser conservados em freezer por 1 ano. Em freezers caseiros, por até 6 meses.

Cortes:

Inteiro: peixe inteiro sem vísceras, escamas e guelras.
Filé: a carne é retirada inteira ao longo da espinha, podendo ser com ou sem a pele.
Filé em forma de borboleta: os dois filés do peixe são presos pelo dorso e a espinha é retirada. Mais usado em peixes pequenos, como a agulha.
Goujon: São tiras na diagonal feitas a partir dos filés. É usado para peixes que serão empanados e fritos.
Paupiette: filé fino e enrolado, geralmente recheado.
Tranche: cortes na diagonal feitas de filés grossos.

Classificação de alguns peixes mais populares de acordo com origem e tipo de carne:

Peixes de água salgada
Namorado: carne clara, macia e magra
Badejo: carne clara, macia e magra
Vermelho: carne clara, macia e magra
Linguado: carne clara, macia e magra
Atum: carne escura, macia e gorda
Salmão: carne escura, macia e gorda
Tainha: carne escura, macia e gorda
Sardinha: carne escura, macia e gorda
Anchova: carne escura, macia e gorda
Manjuba: carne escura, macia e gorda
Corvina: carne clara, macia e magra
Pescada: carne clara, macia e magra
Merluza: carne clara, macia e gorda

Peixes de água doce:
Dourado: carne clara, firme e magra
Tilápia: carne clara, macia e magra

Fonte: 400g, técnicas de cozinha

UPDATE: A Ju, do Pitadinha, me mandou esse link ótimo: uma guia para comprar peixes

omelete para um

Tá só e com preguiça de cozinhar? Omelete pra um. Essa é uma omelete que você faz em menos de 10 minutos (pode contar no relógio, eu garanto), ótima pra comer depois de fazer seu exercício físico (vamos fingir que você tá indo pra academia e precisa comer algo rico em proteínas, ok?)

A receita de hoje é uma omelete de cebolinha, mais prática impossível, nem precisa fazer nada. Pegue um ovo, quebre numa tijelinha, ponha uma colher de sopa de leite e bata com um fouet (ou um garfo) até ficar todo misturadinho mas sem espuma. Ponha sal, pimenta do reino e a cebolinha bem picadinha dentro da tijela e misture pra incorporar.

Em uma frigideira pequena (10 a 12cm), coloque uma colher de chá de manteiga, espalhe bem e jogue a mistura de ovos. Ela vão começar a cozinhar nas bordas, então, devagar, com uma espátula, vá passando as partes da borda para o centro. Faça isso até quase não ter mais líquido, mas tenha cuidado com o ponto. Não faça o procedimento de levar a borda pro centro quando estiver quase pronto senão perde o formato de omelete e vira um ovo mexido. Dobre ao meio e sirva.

Se você acha pouco um ovo só pra você, aumente a receita mas adapte sempre ao tamanho da frigideira. Uma frigideira normal de 20cm dá pra fazer uma omelete de 3 a 4 ovos.

tzatziki

O Tzatziki é um molho à base de iogurte de origem grega muito usado como entrada e servido com pita, mas também serve para acompanhar carnes e também de recheio para kebab. É uma delícia, super fácil de fazer e você pode fazê-lo quando for receber amigos em casa. Pelo menos é um acepipe light pra tirar um pouco do peso das calorias da cerveja que você vai tomar :)

Você vai precisar de:

1 copo de iogurte desnatado (procure um de consistência bem firme, eu usei o Vigor, que é bem durinho)
1 pepino grande
2 dentes de alho
folhas de hortelã a gosto
sal e pimenta do reino

Primeiro descasque o pepino e corte-o em cubinhos bem pequenos. Você pode também processá-lo pra que fique em pedaços bem miúdos. Adicione sal e deixe-o numa peneira pra eliminar um pouco da água por cerca de 20 minutos.

Se seu iogurte não for muito consistente, você pode espremê-lo num pano limpo pra eliminar o máximo possível de soro e deixá-lo mais durinho. Pique as folhas de hortelã, esprema os dentes de alho e coloque tudo, inclusive os pepinos, dentro do iogurte. Adicione pimenta moída na hora, corrija o sal e refrigere. Sirva frio com pão sírio, torradinhas ou mesmo com carne picadinha dentro de um pão folha.

Entradas Mais Antigas Anteriores